Notícias

home » notícias

20 de Novembro de 2020 às 15:01

Acabar com o racismo estrutural, resultado de três séculos de escravidão, é uma tarefa de todos

Essa é uma bandeira histórica dos bancários e da Fetec-CUT/CN, que a Federação reafirma na Semana da Consciência Negra. Não haverá democracia enquanto houver racismo


Os mais de três séculos de escravidão deixaram marcas profundas nas relações econômicas, sociais, culturais e institucionais do país.

Produziram um racismo estrutural que está impregnado na alma nacional. Um racismo que está escancarado em todas as estruturas. Que desumaniza os negros. Nega-lhes o direito à educação e à cultura. Que os confina nas favelas e periferias desprovidas de toda infra-estrutura. Que os aprisiona nos empregos mal remunerados ou nos índices de desemprego e subemprego.

É o racismo estrutural que aperta o gatilho e provoca o verdadeiro genocídio contra os jovens negros em todo o país.

Leia também:

> Violência se concentra na população negra, uma das faces das desigualdades raciais

Também no sistema financeiro o racismo é explícito. Apenas 24% dos bancários são negros. Que ganham 87% dos salários dos brancos e praticamente têm a ascensão profissional abortada por causa da cor da pele.

Veja como funciona o racismo no sistema financeiro:

> Cor da pele é fator decisivo para sucesso na carreira profissional nos bancos

Os bancários lutam há décadas contra o racismo e contra todas as discriminações. Após décadas de lutas, conquistaram cláusula na Convenção Coletiva assegurando a igualdade de oportunidades. Mas o racismo se infiltra pelas brechas e permanece.

“Nossa luta é para que não só os bancos, mas todas as empresas e a sociedade deixem de reproduzir esse racismo estrutural e adotem políticas afirmativas que coloquem fim a qualquer tipo de discriminação e que apontem para a igualdade de oportunidades”, destaca Arílson da Silva, secretário de Relações Políticas e Sindicais da Federação dos Bancários do Centro-Norte Fetec-CUT/CN e diretor da Contraf-CUT.

Combater o racismo estrutural é uma luta permanente e cotidiana. E é uma tarefa de todos. Não apenas dos negros.

Esse é o compromisso dos bancários, que a Fetec-CUT/CN reafirma na Semana da Consciência Negra. Não haverá democracia enquanto houver racismo no Brasil.


Notícias Relacionadas